Pobres e miseráveis: como o governo Dino atrasou mais o Maranhão

Governo tenta a todo custo, desinformar sobre o aumento da pobreza, mas a verdade é que os maranhenses estão desempregados, desalentados e passando muita fome

Maranhenses ficaram mais pobre com ascensão de Flávio Dino ao poder, dados são do IBGE e da ONU

O Governo Flávio Dino (PSB), tenta mostra mostrar números de que a economia do Maranhão vai de vento em popa, passa a informação que o estado está entre as economias que mais crescem no país, divulga estimativa de projeção de aumento do Produto Interno Bruto – PIB, mas nada disso, modifica a triste realidade dos maranhenses, que estão desempregados, mais miseráveis e passando fome desde o começo do governo Dino, é o que apontam os dados científicos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

O site do Governo do Maranhão a todo momento passa a informação que o estado está entre as 10 melhores projeções de aumento do PIB do país, com a perspectiva de aumento de 34,5%, para este ano de 2021. A verdade nesta estória é que sem indústria de transformação, sem infraestrutura, sem fábricas e usinagem que possam gerar emprego e renda aos maranhenses, esta projeção do PIB para o estado só concentra as riquezas nas mãos do bilionários do agronegócio, das comodities,tais como a soja e o minério de ferro. O estado é na verdade, um concentrador de riquezas nas mãos de poucos que utilizam a região portuária do Itaqui, apenas para escoar a sua produção.

Estado forte, com PIB forte tem que ter desenvolvimento de infraestrutura viária, aeroviária, ferroviária e portuária  para escoar a produção interna de diversas produções na agricultura, garantia de apoio técnico e incentivo financeiro à produção, garantia de incentivos para o estabelecimentos de fábricas e indústrias de transformação de produtos primários, que possam agregar valores aos produtos e garantir a geração de emprego e renda aos maranhenses – o que a bem da moralidade e da verdade, o governo Dino fez tudo ao contrário, mascara os números do PIB que concentra apenas a riqueza nas mãos de poucos, por isso, o quadro desolador do aumento do número de maranhenses miseráveis em todo o estado.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE e de relatório divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU), na qual aponta que o Maranhão aparece como o Estado brasileiro que tem mais gente vivendo na miséria. Somado a isso, é também no Maranhão que nove de cada dez pessoas dependem exclusivamente do Sistema Único de Saúde (SUS). No estado, desde o ano de 2015 vem aumentando o número de maranhenses na faixa da extrema pobreza,por coincidência, justamente com a posse do governador Flávio Dino.

5 Responses

  1. Você foi muito preciso nas suas análises, sobre o como os governos Maranhenses devem atuar e o que fazer para tirar nossa população desse quadro de miséria. Porém não é crível pensar que tamanho desenvolvimento, será efetivado em 08 anos. Nem mesmo o sucessor de Flávio, fazendo um bom governo, aliado com políticas econômicas nacionais de desenvolvimento, fará o Maranhão sair desse quadro de miséria. Sem dúvida nenhuma, resultados positivos só virão com a melhoria dos indicadores da educação e quanto há isso parece que estamos indo bem…

  2. O que esse governo comunista fez, foi apenas da segmento o que ele pregava contra a familia sarney. E ainda piorou o que ja estava pior. Não é atoa que o Maranhão estar em primeiro lugar em quase todos os indices de miseria e subdesenvolvimento do país. E viva o comunismo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisar
Publicidade

Publicidade

Arquivos